Inspirações e tendências do Oscar 2016

Um evento pequeno e pouco famoso aconteceu essa semana, você ouviu falar?! Brincadeiras à parte, o Oscar é tecnicamente uma celebração do cinema, mas para a moda também tem importância valiosa. Nenhum outro tapete vermelho provoca tamanha comoção! No entanto, de uma forma geral, as celebridades optaram por looks mais simples do que esperávamos. Nada excêntrico nem muito arriscado. Medo das críticas e do poder dos memes, talvez?

Lembrando que por “mais simples” não se pode entender “menos caros”. A questão aqui é somente sobre as escolhas de design menos inovadores, embora os últimos desfiles de alta costura tenham mostrado coleções bastante criativas, mesmo a moda estando nessa fase de transição (saída de estilistas e diretores criativos das marcas, temporadas sendo repensadas, críticas à influência das mídias sociais no sistema vigente, etc).

Mas se por um lado, como fashionistas, nos decepcionamos por não vermos inovações e aparições dramáticas no tapete vermelho, por outro isso nos aproxima da possibilidade de usarmos algo parecido nos nossos próprios eventos ou trazer as inspirações para incrementar roupas mais casuais. E nessas escolhas pelo certo ao invés do duvidoso, as inúmeras e controversas listas de piores looks vão ficando cada vez menores. Bom, venha dar uma olhada nas fotos para você tirar suas próprias conclusões. E clique nas galerias para visualizar ampliado, ok?

Este ano, as tendências em cores foram: os tons pastel, tons de azul e roxo, o verde esmeralda, o branco e o preto. Entre os pastéis, destacam-se Cate Blanchett, indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Carol e uma das que mais encantaram nosso olhar, vestida de Armani Privé. Um vestido primaveril, que nos lembra o quanto o efeito 3D pode enriquecer um look. Outras que seguiram a linha suavemente colorida: Emily Blunt, grávida elegante vestindo Prada; Jennifer Jason Leigh, indicada ao prêmio de atriz coadjuvante por Os Oito Odiados, vestindo Marchesa; Sophie Turner, minimal de Galvan; Heidi Klum de Marchesa, que parece ser o look mais rejeitado pelos sites e revistas que fazem cobertura do tapete vermelho. É claramente compreensível, uma vez que o vestido parece vestir a Heidi e não o contrário. Alerta de tecido em excesso!

Entre os tons de azul, são notáveis os vistos nos vestidos de Brie Larson, que levou merecidamente o Oscar de melhor atriz, usando um Gucci potencializado por babados e pelo cinto. Sofia Vergara de Marchesa, sempre optando por essa modelagem que lhe cai bem e Patricia Arquette de Marina Rinaldi.

Entre os tons de roxo, Naomi Watts vestindo Armani de inspiração oitentista, com lindo brilho que faz jogo de cores, Tina Fey de Versace e Reese Witherspoon de Oscar de La Renta. Todas apostando no tomara-que-caia, inclusive Reese que já deve ter usado vestidos parecidos umas 2436464 vezes.

O verde esmeralda foi bem utilizado pelas atrizes Saoirse Ronan, indicada ao Oscar de melhor atriz por Brooklyn e Rachel McAdams, indicada a melhor atriz coadjuvante por Spotlight, vencedor de melhor filme. Também foi a escolha da apresentadora de TV Stephanie Bauer, não muito conhecida por aqui. Saoirse usava criação de Francisco Costa, que, sempre bom lembrar, é mineiro e diretor criativo à frente da marca Calvin Klein há muitos anos. Ela surpreendeu por aparecer assim ultra sexy, pois até então não havia explorado tão explicitamente esse seu lado em outros eventos. Rachel McAdams de August Getty Atelier, estava com o mais minimalista de todos os looks da noite, mas é fato que não ficou atrás no quesito beleza estonteante.

Entre os brancos, todos voltaram o olhar para Lady Gaga, indicada ao prêmio de canção original pelo filme The Hunting Ground. Ela usou um macacão Brandon Maxwell com saia por cima da calça. E uma boa inspiração para noivas seria o vestido Zuhair Murad da atriz Priyanka Chopra.

P&B e pretinhos nada básicos apareceram muito. Por aqui, alguns dignos de nota. Kerry Washington tinha o top do vestido Versace em couro, que não é nada comum no tapete vermelho, mas que não desagradou. Diferentemente de Kate Winslet, que também usou um tecido tecnológico duvidoso, mas não teve muita aceitação, apesar de ser Ralph Lauren. Seu brilho lembra plástico, algo sintético, o que não remete elegância. Mas nas passarelas ready-to-wear vem sendo explorado e a gente perdoa porque ela e o Leonardo DiCaprio (<3) são simplesmente uma fofura com suas demonstrações de amizade. Amy Poehler usou peça estampada parecida com um quimono, da marca Andrew GN. Jennifer Garner mostrou que nem só de vestido sexy vive a grife Atelier Versace, num modelo que tem assimetria elegante. Aposto que o Ben Affleck sentiu uma leve dor no coração de saudade da ex-mulher, né? Julianne Moore estava impecável de Chanel, modelo desfilado na passarela por Kendall Jenner. A atriz Mindy Kaling de Elizabeth Kennedy fez bom uso da capa. Aliás, as capas foram queridinhas em outras premiações, mas aqui deram uma folga pra gente. Por fim, a modelo e aspirante à cineasta Dorith Mous, exemplificou o que é ser dramática no tapete e arrasar, usando modelo Dennis Diem estilo princesa gótica boudoir.

E por falar em boudoir, essa tendência que traz alusão a lingeries de ares vintage é capaz de nos encantar como nos vestidos usados por Jennifer Lawrence, indicada a melhor atriz por Joy e Rooney Mara, indicada a melhor atriz coadjuvante por Carol. No caso da Jennifer, um Dior (como esperado), que finalmente combinou melhor com ela do que as últimas escolhas da marca para sua embaixadora. E no caso de Rooney, a quase incontestável beleza do vestido Riccardo Tisci para Givenchy não é capaz de nos fazer perdoar o  “mais do mesmo”. Em várias outras aparições, Rooney está exatamente igual, até na maquiagem!

Dos poucos metalizados, tão tradiocionais, destaco Margot Robbie de Tom Ford e Lily Cole de Vivienne Westwood, que conseguiram chamar muita atenção. A primeira principalmente pelo tecido (e beleza) e a segunda pela modelagem. Foque na sandália da Lily, que diferente!

Margot Robbie
Lily Cole

Os decotes profundos continuam em alta e formaram um bonito desenho nos corpos esculturais de Olivia Wilde, vestindo Valentino e Charlize Theron, vestindo Dior. Ambas usaram colares poderosos para compor os decotes. O colar de Olivia era do tipo coleira, porém delicada. E o colar de Charlize era bonito à altura do mulherão que o ostentou e complemento ideal para o vestido.

E por falar em jóias, o destaque da vez foi dos brincos. Saoirse Ronan até usou brincos de cores diferentes. Será que a moda pega?

Surpresa da noite foi a volta do balonê, utilizado na saia do vestido Louis Vuitton de Alicia Vikander, ganhadora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante. Há quem goste e há quem deteste. Eu digo não, obrigada!

Alicia Vikander

E se você sempre teve dúvidas sobre combinar maquiagem com a cor do vestido, esse ano o Oscar provou que isso pode ser uma escolha de beleza muito acertada, desde que feita sem exageros. E além da maquiagem “combinadinha”, a natural e a monocromática também marcaram a noite.

Sobre os penteados, vários tipos apareceram: coques (o da Olivia Wilde e o da Daisy Ridley foram os melhores), rabos de cavalo, meio presos, soltos naturais… O que quer dizer que para eventos de gala, tudo está sendo permitido, desde que os cabelos estejam impecáveis e complementem os looks sem erros.

Sobre os homens, nitidamente o que tem caído no gosto masculino são os ternos de veludo, os de inspiração navy e detalhes inusitados nas lapelas e barras.

Uma curiosidade é que o site da revista GQ americana destacou um detalhe importante a ser observado pelos homens na compra de seus ternos: o ajuste nos ombros. Quando não está perfeito, essa dobra faz as mangas ficarem bem estranhas! Olha só:

Foi mal…
Foi mal… (em close)

Também tivemos bons exemplos de mulheres maduras que fizeram bonito no evento. Jenny Beavan, para quem eu torcia pelo prêmio de melhor figurino por Mad Max: Estrada da Fúria e merecidamente ganhou, foi elegante, apesar da simplicidade. Houve um certo burburinho na internet devido ao seu estilo e à jaqueta que ela colocou para receber o prêmio (e que fazia homenagem ao filme), mas isso é típico da internet. Aliás, ela foi assunto de outras polêmicas que em outro post comentarei. O importante, no entanto, é conhecer seu trabalho maravilhoso, que é o que também pretendo divulgar aqui. Sandy Powell, outra figurinista excelente e indicada ao Oscar por dois filmes, Carol e Cinderela, homenageou David Bowie. Meg LeFauve é produtora e roteirista, inclusive co-assina Divertidamente, filme que ganhou o prêmio de melhor animação e esteve deslumbrante nesse vestido vermelho que eu gosto bem mais do que o vestido da Charlize. Gena Rowlands é atriz e ganhou um Oscar honorário. Ela é linda e ao mesmo tempo tem uma carinha de vovó que dá vontade de apertar!

Saindo do evento principal para dar uma espiada na festa pós-Oscar promovida pela Vanity Fair, encontramos ótimos looks que poderiam perfeitamente ter passado pelo tapete vermelho também, mas o convite dessas moças não permitia. Desse grupo, Diane Kruger foi paixão à primeira vista! Confira:

Aliás, a festa da Vanity Fair é recheada de outros convidados célebres e, por conseqüência, de outros vários looks inspiradores. E quem já estava na premiação e dá uma esticada lá, acaba trocando suas roupas por outras mais confortáveis. Afinal, é hora de menos pompa e mais diversão.

Bem, termino aqui minhas considerações de moda sobre o Oscar 2016 e espero que tenha gostado. Caso queira comentar, sinta-se à vontade porque esse blog ama comentários! Até mais!

Anúncios

Aquecimento Oscar: Looks Icônicos

Daqui a pouco acontecerá o tapete vermelho mais aguardado do ano e a ansiedade fashionista já começa a bater. Aproveitando o clima pre-party, listei alguns dos looks inesquecíveis que já passaram pelo Oscar, seja pela beleza e impecabilidade ou pela criatividade, ousadia ou polêmica.

audrey
Audrey Hepburn de Givenchy em 1954
grace
Grace Kelly com vestido assinado pela lendária figurinista Edith Head em 1955.
halle
Halle Berry fazendo história em 2002 vestida de Elie Saab.
Lupita Nyong’o de Prada.
Lupita Nyong’o de Calvin Klein coberto de pérolas.
Antes de Rooney Mara já havia uma gótica querida dos tapetes: Winona Ryder, de Chanel em 1997.
E falando em Rooney Mara, ela de Givenchy.
Angelina Jolie nunca precisou de muito para causar impacto e aqui usou puro cetim Marc Bouwer em 2004.
Outro minimalista inesquecível, o vestido Ralph Lauren usado por Gwyneth Paltrow em 1999.
Ainda Gwyneth, agora de Tom Ford. A primeiríssima a apostar nas capas, em 2012.
Natalie Portman de Lanvin.
Meryl Streep, também apostando bem num Lanvin.
Mila Kunnis tão etérea e sexy, usando uma cor incomum. Vestido Elie Saab.
Outra etérea, porém gravidinha, Keira Knightley de Valentino.
Marion Cotillard antevendo a tendência do sereismo desde 2008, usando Jean Paul Gaultier.
Julia Roberts de Valentino.
Hilary Swank em 2005 surpreendia com o decote de costas mais bonito que o Oscar já teve. Vestido de Guy Laroche, escolhido de última hora (e sem o aval de sua stylist) pela própria atriz.
Nicole Kidman de Dior. Detalhe: peça da primeira coleção de alta costura de Galliano para a marca.
Anne Hathaway de Valentino, inspiração de muitos memes
Cher, em 1986, de Bob Mackie para apresentar o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante!
Bjork em 2001
Nicole Kidman e o melhor vestido vermelho de todos os tempos, da marca Balenciaga. Caimento perfeito!
Cate Blanchett, rainha absoluta dos tapetes vermelhos. Esse foi seu primeiro vestido feito sob medida, com exclusividade, um Valentino.